Pular para o conteúdo principal

Mini Curriculo

Ator, escritor e produtor.

Formado em Historia na Universidade Guarulhos, e em Técnicas em Artes do Palco no Senac, Andrio Cândido é um artista da periferia de São Paulo, que dialoga com múltiplas linguagens artísticas.
Atuando desde 2002 no teatro estudantil, quando venceu o 1 º Festival Estudantil de Teatro de Caraguatatuba com o premio de 'Melhor Ator', logo veio a São Paulo e passou a cursar oficinas publicas e workshop´s, e a atuar profissionalmente em series como Turma do Gueto, Carandiru – Outras Historias, Antônias, Telecurso 2000 -Aulas de Musica e em longas metragens, Boleiros 2 de Ugo Giorgetti e Os 12 Trabalhos de Ricardo Elias.
Em 2010 passa a atuar na Cultura Periférica com a fundação do Coletivo Cultural Marginaliaria produzindo a atividade cultural de rua 'O Levante', o 'Sarau na Cozinha' na Biblioteca Publica de São Miguel Paulista Raimundo de Menezes e passou a compor o cenário cultural da cidade sendo convidado para a realização de saraus em equipamentos públicos, Sesc´s e ong´s.
Em 2014, escreveu, produziu, atuou e lançou o longa-metragem colaborativo 'Um Salve Doutor', colaborativamente com a rede de coletivos culturais da Zona Leste de São Paulo, o Programa VAI, o programa Jovem de Responsa – Ambev e o Instituto Criar.
Fundou o projeto Filhos de Ururaí, onde realiza intervenções poéticas nos vagões de trens da CPTM e Metro.
Atualmente, circula pela cidade exibindo o filme Um Salve Doutor, realiza formações, palestras e rodas de conversa sobre 'produção cultural periférica' e se prepara o lançamento de seu primeiro livro, Dente de Leão.      

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Negação e o Direito de Imagem

Por muito tempo eu não me via, só projetava uma imagem não sabia que existia, no espelho via miragem tinha que atingir um padrão,mudar pra ser aceito reclamava com Deus por ter nascido preto fazia o que eles queriam mas não me sentia bem sentia que não era eu, tentava ser outro alguém minha mãe, sem saber o que fazer pra resolver o problema deixava eu passar Hene alisava o cabelo queria ser astro de rock minha autoestima dilacerada podia ser tudo , menos ser negro, pode?a sociedade me dizia e eu ouvia calado até o dia que na escola por ser negro fui espancado demorou um certo tempo pra eu descobrir que nós somos os uns dos poucos heróis deste país e que se eu tô vivo hoje rimando pra vocês aqui é que devo a minha vida ao rei chamado Zumbi sou seu filho, súdito, e carrego pra sempre o seu legado do sistema de escravidão da mente eu fui resgatado e agora não deixo quieto não posso deixar barato ainda vejo a maioria do meu povo de cabelo alisado tá errado! se não tiver autoestima. vocês são l…